+55.61.40636880 atendimento@acarauturismo.com.br

Login

Cadastre-se

Depois de criar uma conta, você poderá acompanhar seus pagamentos, acompanhar as confirmações de reservas e também fazer avaliações das suas viagens.
Nome de usuário (CPF)*
Senha*
Confirmar Senha*
Nome*
Sobrenome*
E-mail*
Telefone com DDD*
País*
* Criar uma conta significa que você concorda com os nossos Termos e Serviços e a nossa Política de Privacidade.

Já é cadastrado?

Login
+55.61.40636880 atendimento@acarauturismo.com.br

Login

Cadastre-se

Depois de criar uma conta, você poderá acompanhar seus pagamentos, acompanhar as confirmações de reservas e também fazer avaliações das suas viagens.
Nome de usuário (CPF)*
Senha*
Confirmar Senha*
Nome*
Sobrenome*
E-mail*
Telefone com DDD*
País*
* Criar uma conta significa que você concorda com os nossos Termos e Serviços e a nossa Política de Privacidade.

Já é cadastrado?

Login

As Coreias, atualmente, apresentam poucas semelhanças além do nome. A península coreana, que um dia já abrigou uma nação próspera e inovadora, está dividida entre a República da Coreia, Coreia do Sul, e a República Popular Democrática da Coreia, a Coreia do Norte. A fronteira física, altamente militarizada, reflete o abismo social e ideológico que agrava a separação dos países. Vamos entender um pouco mais sobre como isso ocorreu e quais são as principais diferenças.

No início do século XX, o Império Coreano foi invadido pelo Japão, que impôs os seus costumes aos colonizados – inclusive a língua. Ao final da Segunda Guerra Mundial, com a iminente derrota japonesa, a Coreia foi um dos territórios que se viu envolvido na disputa ideológica entre os soviéticos e os americanos. As potências da Guerra Fria decidiram dividir a Coreia em duas metades, o norte foi ocupado pela União Soviética e o sul ficou sob controle dos Estados Unidos. Apesar do esforço das Nações Unidas, a reunificação pacífica tornou-se tarefa impraticável depois da separação ideológica e as duas repúblicas se solidificaram separadamente ao final de uma guerra brutal que durou três anos. A península foi dividida na altura do paralelo norte 38, onde está localizada a Zona Desmilitarizada da Coreia – faixa que separa e protege os limites territoriais dos dois países.

Zona Desmilitarizada da Coreia - DMZ

A Coreia do Norte tornou-se um Estado socialista totalitário, extremamente isolado política e economicamente. Grande parte da população é rural e o acesso a serviços básicos é limitado. A pobreza e a escassez de comida acarretaram na má-nutrição geral da população, o que afetou, inclusive, na altura média dos habitantes – já mais baixa que a média da Coreia do Sul. A censura às mídias é intensa e a conexão de internet é bastante restrita, o que faz com que os norte coreanos não tenham contato com outras realidades.

Pyongyang, capital da Coreia do Norte

A Coreia do Sul, no entanto, não poderia ser mais diferente. As cidades modernas e tecnológicas são resultado da afinidade desta democracia com o modelo capitalista – herança da forte influência americana sobre o país. A produção cultural sul coreana ultrapassa as barreiras geográficas e tem conquistado o resto do mundo, principalmente com o fenômeno do gênero musical k-pop. A tecnologia sul coreana desponta como uma das melhores do mundo e o país tem uma das conexões de internet mais rápidas.

Para os turistas, a experiência também é muito diferente. Várias restrições dificultam a entrada na Coreia do Norte, e os que conseguem chegar ao país tem a circulação bastante reduzida. Todos os passeios são feitos com um guia autorizado pelo governo, o itinerário é pré-estabelecido nos mínimos detalhes, sem desvios de rota. Os visitantes precisam pedir autorização para tirar fotos, não podem circular sozinhos e são proibidos de desrespeitar as imagens dos líderes da nação – sob ameaça de condenações severas.

Em contraste, a Coreia do Sul está de braços abertos aos turistas. Os palácios e monumentos bem preservados que representam a história milenar do povo coreano estão sempre repletos de visitantes de diversas partes do mundo, tirando fotos e interagindo com os locais. Os mercados e distritos de compras, muito frequentados pelos sul coreanos, costumam ficar apinhados e os letreiros luminosos garantem um charme a mais.

Distrito de compras de Myeongdon, em Seoul, Coreia do Sul

De todas as disparidades que as duas nações apresentam, talvez a mais discrepante seja a liberdade do povo. Os norte coreanos, isolados pelo governo ditatorial, não conseguem sequer imaginar uma vida diferente do que conhecem, pois não podem interagir com turistas, sair do país ou se conectar com pessoas de outras nacionalidades através da internet. Muitos tentam fugir para os países vizinhos e os que falham são enviados para campos de concentração cruéis e altamente condenados pelo Conselho de Segurança da ONU. Enquanto isso, na Coreia do Sul é possível escolher os governantes livremente, circular pelo mundo com facilidade e estão a alguns cliques de distância de qualquer informação.

As semelhanças culturais entre as duas Coreias ainda podem ser encontradas em alguns traços das raízes gastronômicas, das celebrações nacionais e das tradições familiares. Porém, as diferenças econômicas e políticas afastaram abissalmente estas duas nações, muito mais do que já estavam apartadas na época da guerra. Ainda que a pauta da unificação continue figurando entre as prioridades dos governos, atualmente é difícil enxergar uma solução que traga aos norte coreanos a oportunidade de experimentar viver como os sul coreanos, em liberdade.

Últimas vagas

Coreia do Sul e Japão

21 dias / 20 noites
Saída : 27 de março
Guarulhos
Coreia do Sul e Japão
0

Deixe um comentário

Atendimento